MANO FRED

1/11

“Tempo do Samba” é um álbum de samba autoral que surgiu a partir de uma experiência de afeto e pesquisa no território do samba. Especificamente, o samba na cidade de São Paulo. Sua história, memórias, identidades, seus personagens e aspecto de resistência cultural na cidade.

 

Este álbum tem intenção de celebrar e afirmar o samba na cidade de São Paulo de forma universal e poética. Compor com esta expressão genuína que ainda nos move, nos alimenta e fomenta encontros e criatividade genuína. A Roda de Samba, Roda Vida!

 

O samba está bem vivo na “terra da garoa”, que não tem mais garoa, bonde, rios, mas continua vivo nosso samba. Um samba que tem seu umbigo enterrado em muitos chãos: Samba de Bumbo, Batuques de Umbigadas, Congadas, Jongos, Moçambiques, Umbanda, Cururus e Tiriricas. O samba urbano dos engraxates da Sé, dos valentões da rua Glete, do Quilombo de Solano Trindade e do Movimento do Pagode nas décadas de 80-90 - SP.

 

Nosso samba paulistano é hoje uma ideia, invenção poética, vadiagem, plástica social, expressão que se brota, vem de dentro sem regras de estilo, sem limite, livre, Macunaímico e não está fechado. Fazer samba, sustentar o samba nesta cidade “Concreto”, nunca foi tarefa fácil. Sempre houve muita luta e resistência do povo sambista do passado e do presente.

 

A nação sambista paulistana em memória:

Dionísio Barbosa, Madrinha Eunice, Escolas de samba Lava Pés, Vai Vai, Camisa Verde e Branco, Nenê da Vila Matilde e todas as agremiações, Pato n´Água, Henricão, Geraldo Filme, Toniquinho Batuqueiro, Zeca da Casa Verde, Paulistinha, Adoniram Barbosa, Germano Mathias, Osvaldinho da Cuíca, João Borba, Seu Carlão do Peruche, Seu Zezinho do Banjo, Pé Rachado, Tias Baianas Paulistas, Velha Guarda, Talismã, Branca di Neve, Batuqueiros da Paulicéia, Rodas de samba da cidade, entre outros.... Sem esquecer jamais os Bambas imortais Cariocas.

MINI BIO MANO FRED

Mano Fred é poeta, compositor, músico e arranjador, nascido e criado na cidade de São Paulo e fortemente influenciado e inspirado pelo território do samba, onde elabora poéticas musicais que dialogam com tradição e inovação.  Começou sua carreira aos 13 anos tocando cavaquinho em um grupo de velha guarda de botequim, aos 16 já estava tocando em pagodes da cidade e blocos carnavalescos.

Participou de diversas rodas de samba e choro na cidade como cantor, violonista e cavaquinista. Fez parte do Quinteto de Choro João de barro, do coletivo de pesquisa Kolombolo e é integrante do Trio Orumalé.  Atua como músico, educador musical e é pesquisador das tradições musicais brasileiras e do samba.

Decreto do SambaMano Fred
00:00 / 02:20
ReaçãoMano Fred
00:00 / 02:10
João de BarroMano Fred
00:00 / 01:38
Cavaquinho CavacoMano Fred
00:00 / 01:39